Nossa Senhora: uma única mãe com vários nomes (Portuguese Edition) por Liane C. Borges Bueno

Nossa Senhora: uma única mãe com vários nomes (Portuguese Edition) por Liane C. Borges Bueno

December 7, 2019

Titulo del libro : Nossa Senhora: uma única mãe com vários nomes (Portuguese Edition)
Fecha de lanzamiento : March 10, 2018
Autor : Liane C. Borges Bueno
Número de páginas : 104

Nossa Senhora: uma única mãe com vários nomes (Portuguese Edition) de Liane C. Borges Bueno está disponible para descargar en formato PDF y EPUB. Aquí puedes acceder a millones de libros. Todos los libros disponibles para leer en línea y descargar sin necesidad de pagar más.

Liane C. Borges Bueno con Nossa Senhora: uma única mãe com vários nomes (Portuguese Edition)

Diz o cancioneiro popular, em eternizada obra do cantor Roberto Carlos, que “todas as Nossas Senhoras são a mesma mãe de Deus”. Quando a escritora Liane C. Borges Bueno teve a feliz e abençoada inspiração de escrever sobre as denominações de Maria, Mãe de Jesus, achei um desafio por demais complexo, ousado e instigante. Acima de tudo, seria uma missão dotada de um ideal nobre e devotado.
Quando fui convidado a prefaciar este livro, senti um misto de responsabilidade e alegria. Havíamos feito uma excepcional viagem a Portugal, onde fomos juntos ao Santuário de Fátima. É um lugar que me causa, a cada visita que Deus me permite fazer, uma emoção invasiva e inquietante.
Tenho um carinho filial e deveras especial pela autora e por toda a sua família. Os laços de afeto, motivados pela força de Arcanjo Miguel, levaram-me à casa de Bueno e Liane e nos uniram como família, na serra gaúcha, de uma maneira épica. Agora, é Maria, a mãe do SIM, que inaugura mais um capítulo nessa história de fraternidade e de luz.
A responsabilidade dessa obra advém da missão de quebrar mitos e incertezas sobre o tema. Ainda pairam questionamentos e incompreensões acerca das várias denominações e devoções creditadas ao nome de Maria Santíssima. Nesse sentido, sei que a escritora Liane C. Borges Bueno, com toda a sua força espiritual e com a sensibilidade humana que lhe é própria, encarou com um senso missionário. Por isso, cada leitor terá o privilégio de ver e refletir uma visão realista e cristã da Bem aventurada Virgem de Nazaré. Ela, em meio a sua simplicidade e juventude, disse “sim” ao projeto de salvação da humanidade, anunciado pelo Arcanjo Gabriel, provindo diretamente de Deus.
Esse mesmo Deus quebra as correntes dos preconceitos: faz-se homem como nós, nasce pobre e entre um povo dominado, vem a uma terra sem destaque nem expressão econômica e passa todo esse caminho salvívico pelo ventre de uma mulher, uma categoria humana tão discriminada e subjugada naquela época.
Como se vê, contrariando todas as lógicas do mundo, recebemos o verbo de Deus que se fez carne e habitou entre nós. Ali saia de cena uma simples menina judia e se apresentava para o mundo uma “senhora” na história da humanidade, consciente do sofrimento a ser abraçado em nome do nascimento de uma criança que dividiu o mundo em duas eras (antes de depois de Cristo).
Não há como negar a importância de alguém que “engravidou do próprio espírito de Deus” e abrigou dentro de si o Salvador, a Luz do mundo. Independente das denominações e devoções ou do modo como cada povo a vê, ela é uma só: a MÃE de Jesus Cristo, e simboliza nossa mãe eterna.
Se um índio mexicano desenha esta mãe com rosto indígena e pele de cor escura, decerto não será a mesma imagem concebida por um polonês ou um cidadão russo que a represente. Cada povo busca suas próprias identidades para representar aquela que é a mãe da humanidade inteira, com suas diferenças étnicas, culturais e raciais. Isso não retira a força nem o brilho de Nossa Senhora, mas, do contrário, faz crescer sua figura mística e maternal que se estende a todos. Ela é, a um só tempo, mãe (dá a luz ao Cristo e lhe dá uma família humana), filha (criatura de Deus Pai) e também irmã (pois somos todos filhos do mesmo Pai Eterno).
Que a pesquisa da escritora Liane C. Borges Bueno nos conceda a graça de assumirmos a máxima deixada por Maria: fazei tudo o que Ele vos disser (Jó 2,5). Parabéns, LIANE, por essa escolha e por receber essa inspiração. Obrigado por me conceder a honra e alegria de gestar esse livro com você, planejando capítulos, títulos, inclusões, lembranças e um espírito de muito AMOR a nos cerar em cada passo. Prof. ROMERO LEMOS